01/08

Conheça a diferença entre motores a gasolina e a diesel

O Brasil é único país do mundo que possui uma legislação que proíbe a comercialização de veículos de passeio com motor diesel. A proibição teve origem na década de 70, quando o ProÁlcool surgiu para substituir os derivados do petróleo no contexto da crise do combustível de 1973.

A lei está em vigor até hoje e é por isso que os motores TDI da Volkswagen estão disponíveis apenas para veículos mais pesados, como a Amarok. Mesmo com a criação do diesel S10, combustível com baixo teor de enxofre, poucos impactos ambientais e qualidade bem próxima ao diesel europeu, os modelos leves movidos pelo combustível nunca voltaram a ser legalizados no país.

Veja o vídeo abaixo para ver detalhes do funcionamento dos dois motores (em inglês):

Vamos conhecer um pouco mais detalhadamente as diferenças entre os propulsores a gasolina para os a diesel.

Ciclo termodinâmico

Uma das principais diferenças está nos ciclos termodinâmicos. O motor a diesel comprime a carga de ar com mais energia que o a gasolina, ou seja, tem maior taxa de compressão; o que dispensa vela de ignição para catalisar a reação do combustível.

A taxa de compressão é a relação entre o volume máximo e mínimo da mistura de ar e combustível dentro de um cilindro.

Essa taxa mais alta, junto às menores perdas de bombeamento e a maior densidade de energia fazem com que os modelos a diesel tenham melhor economia.

Pelo lado da gasolina, os modelos com motores do mesmo volume têm uma potência superior.

Corpo de Borboleta

Outra diferença significativa é que os carros a diesel não contam com corpo de borboleta. Nesses modelos, quando o motorista pisa no pedal de acelerador, o injetor de combustível leva mais diesel para oferecer mais potência.

Já nos modelos a gasolina, quando se aperta o acelerador, o corpo de borboleta permite a entrada de ar no motor. Essa entrada força a injeção de mais combustível, oferecendo mais potência ao motorista.

Freio a motor

O freio a motor também funciona de formas diferentes. Nos motores a gasolina, quando o condutor deixa de acelerar, ele fecha o corpo de borboleta, o que cria um vácuo entre a peça e os cilindros, isso reduz a velocidade do carro.

Nos motores a diesel, sem corpo de borboleta, o freio a motor ocorre na fase de compressão do cilindro. Com a válvula de exaustão aberta para permitir a saída do ar pressurizado. Essa saída de ar é justamente o que faz com que esses motores sejam mais barulhentos.

GOLF TDI DIESEL

Diferença no consumo

Um fator determinante é a composição química dos combustíveis. O diesel é composto por cadeias carbônicas mais longas que as da gasolina. As moléculas do diesel têm até 15% a mais de energia. São 36,9 MJ/l (megajoule por litro) contra 33,7 MJ/l.

A maior eficiência térmica do motor a diesel pela ignição do ar via alta compressão também é um fator determinante para a melhor eficiência. A alta taxa de compressão e a maior pressão obtida em turbos também faz com que modelos a diesel tenham maior torque em baixas rotações.

Futuro sem Diesel

Ainda que os modelos a diesel sejam mais duráveis e econômicos, podendo chegar a 25 km/l, a tendência mundial é a combustão híbrida (via gasolina) ou totalmente elétrica. Países da União Europeia – que tem quase 50% de suas frotas movidas a diesel – estão criando metas para o fim da comercialização total de veículos a diesel para as próximas décadas.

Considerando a tendência mundial, fica difícil imaginar ver carros do tipo de volta às ruas brasileiras.